Arquivo do mês: maio 2012

tentativa de tradução #2: Les rêveries du promeneur solitaire – Rousseau

Texto indispensável e que me aproxima muito do Thoreau e seu ‘Walden’. A tentativa de hoje é muito mais uma forma de tentar me aprofundar um pouco no texto (do sentido e da forma), do que qualquer outra coisa. Primeira obsevação, … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Epifania pós-show

Antes de entrar no táxi, pra vir embora: My God, it’s full of stars. O apagão da tequila me deixou alguns detalhes, mas levou outros embora. Escolhendo o filme pra assistir, agora, a associação inconsciente é desvelada. Ultimamente, aliás, tenho … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Coma voluntário (revisto)

Desativei minha conta do facebook, pela segunda vez, hoje às 4h23. Da primeira vez, eu precisava evitar qualquer modo de procrastinar pra escrever o meu mémoire. Agora, a gota d’água foi a grosseria barata para com um aluno, que não … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

L’enfance

Il y manque ici une refléxion que j’avais faite à propos de l’enfance, mais ce n’est pas nécessaire. Il faut juste les observer pour avoir les réponses dont on a parfois besoin.

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

a broken machine

[Alerta de escrito egocêntrico, altamente pessoal, amargo, porém absolutamente honesto] Conheci uma banda muito bonitinha essa semana, por acaso, no Youtube. Se chama “The Narrative”, e é claro que eu gostei de cara do nome. Sou obcecada por narrativas e … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Carta de um anti-Anna Karina para Pierrot ou Sobre quando Pierrot se perdeu

“Saiba, Pierrot, que tentei significar nosso encontro de algum modo, atribuí-lo a um complexo jogo de xadrez executado displicentemente pelo inconsciente coletivo, relacioná-lo com algum fenômeno natural de compensação, mas então percebo o quanto fui tolo. Na medida em que … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Tentativas de tradução #1 – “La Peste”

Alguns excertos, toscamente traduzidos, dessa obra extraordinária do Camus, “La Peste” (1947). “Uma maneira cômoda de conhecer a cidade é perceber como as pessoas, que nela vivem, trabalham, amam e morrem. Aqui, talvez por efeito do clima, tudo isso se … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário